AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA – EAD NA PERCEPÇÃO DOS DISCENTES

Leonardo Augusto Couto Finelli, Admilson Eustáquio Prates, Wellington Danilo Soares, Janaína de Carvalho Sousa

Resumo


Nos últimos anos a Educação a Distância – EAD se desenvolveu juntamente com as Tecnologias de Comunicação e Informação – TIC’s. Várias Instituições de Ensino Superior – IES buscam essa modalidade educacional para atender a crescente demanda por formação de qualidade, e que se dê de forma rápida e econômica. Não obstante, a formação em EAD traz também a demanda de grande envolvimento do acadêmico que costuma se perder na assincronicidade do curso. Nessa perspectiva esse estudo avaliou a qualidade da EAD a partir da percepção dos discentes. Participaram dessa 93 dos aproximadamente 150 alunos do curso de Pedagogia oferecido pela Universidade Aberta do Brasil – UAB em parceria com uma IES pública de Montes Claros. A coleta de dados se deu a partir do uso do Questionário de Investigação de Qualidade de Formação em EAD – QIQFEAD desenvolvido para a pesquisa. O resultado quanto á qualidade do curso de Pedagogia pela EAD, a partir da percepção dos respondentes, foi satisfatório, e demonstra que os alunos tem consciência (pelo menos em parte) da sua responsabilidade, autonomia e dedicação aos estudos. Apesar de 55,9% dos respondentes considerar que não é difícil fazer a formação em EAD, os demais responderam que é, o que abre perspectivas para novos estudos sobre os motivos de tais dificuldades.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA – ABED. Censo EAD.BR: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2016. [livro eletrônico]. Curitiba: InterSaberes, 2017.

ARIEIRA J. O. et al. Avaliação do Aprendizado Via Educação a Distância: a visão dos discentes. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 7, n. 63, p. 313-340, abr./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

BEHAR, P. A., SILVA, K. K. A. Mapeamento das Competências: Um Foco no Aluno da Educação á Distância. Porto Alegre-Rio Grande do Sul, v. 10, n. 3, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

CASTILHO, J.; GARCIA, M.; FERNANDES, A. J. Aderência Discente em Educação e Distância. Perfil e Estados Motivacionais. In.: J. Sánchez (Ed.). Congresso Iberoamericano de Informática e Educativa. v. 1, p. 154-161 Santiago do Chile, Anais do I Congresso Iberoamericano de Informática e Educativa. 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2017.

COLOGNESE, S. A. Avaliar para planejar a melhoria da qualidade. Projeto de Avaliação Institucional da Unioeste. 2002. 52 f. Projeto de Avaliação Institucional (2002/2004) (Assessoria de Avaliação Institucional – Pró-Reitoria de Graduação) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel – PR, Brasil, 2002. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2016.

FALLER, L. P.; RODRIGUES, C. M. C. Proposta de Instrumento para Avaliação de Curso de Ensino a Distância (EAD). In: XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção: Maturidade e Desafios da Engenharia de Produção: competitividade, das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. Anais do XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção: Maturidade e Desafios da Engenharia de Produção: competitividade, das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP. Brasil, 12 a 15 de outubro de 2010.

FERREIRA, J. L., CARVALHO, M. E. Pessoa de. Gênero, masculinidade e magistério: horizontes de pesquisa. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 9, n. 1, p.143-157, 2006.

FINELLI, L. A. C. Estudo de equivalência entre formas de aplicação da Bateria Fatorial de Personalidade. 2010. 185f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade São Francisco. Itatiba, Brasil, 2010.

MILL, D.; TORRES, M. A. G. Educação a Distância: Um Guia para o Estudante Virtual. Montes Claros: Unimontes, 2013.

PEREIRA, G. B. B. O Estudante da EAD (Educação a Distância): Um Estudo de Perfil e Interação Geracional. 2015. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo. 2015.

PENTERICH, E. Competências Organizacionais para Oferta da Educação a Distância no Ensino Superior: Um Estudo Descritivo-exploratório de IES Brasileiras Credenciadas pelo MEC. 2009. Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Departamento de Administração. Faculdade de São Paulo. São Paulo, 2009.

PICHETH, F. M.; PRATES, S. C. Graduação em Pedagogia na Modalidade EAD: Desafios e Possibilidades. Revista Inter saberes, v. 11, n. 24, p. 576-585. set./dez. 2016.

SARAIVA, T. Avaliação da Educação a Distância: sucessos, dificuldades e exemplos. Boletim Técnico do Senac, v. 21, n. 3, set./dez. 1995.

SILVA, J. A. Aprendizagens relacionadas aos estereótipos de gênero na educação infantil. Revista Educação, v. 12, n. 1, p. 60-73, 2017.

TRIOLA, M. F. Introdução à Estatística. 7. ed. São Paulo: LTC. 2001.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS – UFG. COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL – CAVI. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EAD. Instrumentos de Avaliação. Atualizado em 19/07/16 às 15:23, 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2016.

VILAÇA, M. L. C. Educação a Distância e Tecnologia: conceitos, termos e um pouco de história. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras e Ciências Humanas – Unigranrio, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 89-101, 2010.

ZAMPROGNO, B.; JACOB, A.; ZAMPROGNO, B. Perfil Sócio Demográfico e Satisfação de Alunos da Modalidade de Ensino a Distância. Revista Foco - Periódicos dos Programas de Graduação e Pós graduação em Administração e Recursos Humanos, v. 9, n. 2, p. 175-196, ago./dez. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.