INSTRUMENTOS, ESTRATÉGIAS, CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA - EaD

Karina Carvalho de Almeida

Resumo


Diante das novas maneiras de educar e das novidades de aprender no mundo dinâmico da educação online, a avaliação necessita redimensionar o foco para a construção colaborativa dos aprendizagens nos espaços virtuais de comunicação e interação síncrona e assíncrona. Na EAD, a avaliação precisa estar ancorada em uma abordagem formativa, respeitando-se as diversas etapas do processo avaliativo. Assim, este artigo objetiva discutir que tipo de avaliação vem sendo praticada na EAD e ainda se este tipo praticado dialoga com proposta de aprendizagem colaborativa. Questiona-se, neste estudo, as práticas avaliativas em EAD e sugere-se a avaliação formativa como caminho possível para a efetivação do conhecimento á luz de autores como Silva (2000), Oliveira (2003), Perrenoud (1999), entre outros. A discussão sobre a avaliação da aprendizagem na EAD, estabelecida neste artigo demonstra que embora a EaD contenha se expandido respeitosamente, a avaliação nesta modalidade, embora é um componente bastante contraditório. Ainda que exista um esboço teórico amplo, ainda permanecem práticas que não observam tais teorias. contraditório. Sabemos que, na atualidade, os profissionais que iniciam suas atividades na Educação à distância, encontram dificuldades, e desafios, uma vez que, a maioria vivenciou na formação e vivencia na atuação profissional o modelo presencial tradicional de educação.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B. Educação à distância na Internet. Pontifícia Universidade

Ática. 6ª Ed. São Paulo, 2000.

BENVENUTTI, D. B. Avaliação, sua históriae seus paradigmas educativos. Pedagogia: a Revista do Curso.Brasileira de Contabilidade. São Miguel do Oeste – SC: ano 1, n.01,p.47-51, jan.2002.

BORBA, A. M. de & FERRI, C. Avaliação: contexto eperspectivas. Revista de Divulgação Científica da Universidade do Vale doItajaí – Alcance. Itajaí – SC: ano IV, n.02, p.47-55, jul/dez/1997.

BRASIL, decretonº 5622, 20-12-2005 [ S.1:s.n], 2005. Dispõe sobre a legislação educacional brasileira. Católica de São Paulo, 2003.

GADOTTI, M. Uma escola para todos os caminhos daautonomia escolar. Petrópolis: Vozes, 1991.

GOLDBERG, M. A. A. SOUZA, C. P. de. Avaliação deProgramas Educacionais: vicissitudes, controvérsias e desafios. São Paulo:EPU, 1982

HAYDT, R. C. Avaliação do processo Ensino-Aprendizagem. Editora:

http://www.eca.usp.br/prof/moran/bom_curso.htm

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34. 1995. São Paulo: Thomson.

LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar. 14 ed. São Paulo:Cortez, 2002.

[Moran, 2002]. MORAN, J. M. O que é um bom curso a distância? Visitado em: 20/12/2012. Disponível na Internet em:07/01/20013

NÉRICI, I. G. Metodologia do ensino: uma introdução. São Paulo: Atlas,1977.

OLIVEIRA, G. P. de. Avaliação formativa nos cursos superiores: verificações qualitativas no processo deensino-aprendizagem e a autonomia dos educandos. www.campus.oei.org.Acesso em 13 de dez. de 2003.

PERRENOUD, P. Não mexam na minhaavaliação! Para uma abordagem sistêmica da mudança pedagógica. In: NÓVOA,A. Avaliação em educação: novas perspectivas. Porto, Portugal: Porto Editora,1993.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens entre duas lógicas. Tradução de Patrícia Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

SANCHO, J. M. A tecnologia: um modo de transformar o mundo carregado de ambivalência. IN: Sancho, J. M. (org.). (1998). Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: Artes Médicas.

SILVA, M. Fundamentos Comunicacional da Avaliação da Aprendizagem na Sala de Aula Online. In: SILVA, M.; SANTOS, E. (org), Avaliação da Aprendizagem em educação Online, Loyola: São Paulo, 2006.

Disponível em Data de acesso: 06/01/2013

Disponível em: Data de acesso: 04/01/2013


Apontamentos

  • Não há apontamentos.