MAPA DAS CULTURAS DO IFNMG: IDENTIFICAÇÃO DE AÇÕES DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

Yuri Bento Marques, Gustavo Henrique Silva de Souza, Leandro de Paula Liberato, Sérgio Lana Morais, Bruno Dias Bento, Francis Bento Marques

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar os impactos e possibilidades em empreendedorismo cultural por meio do Mapa das Culturas do IFNMG (Instituto Federal do Norte de Minas Gerais), uma plataforma on-line que visa à identificação e a divulgação dos agentes, artistas, artesãos, eventos, projetos e espaços culturais nesta área de abrangência. De tal modo, por meio de um estudo bibliográfico e documental de abordagem descritiva, aborda-se a criação do Mapa das Culturas do IFNMG e discutem-se os avanços decorridos da implantação dessa plataforma para o crescimento e consolidação das manifestações culturais regionais. Em setembro de 2020, o Mapa das Culturas do IFNMG já possuía o registro de 181 agentes, 52 eventos, 17 equipamentos e 7 Projetos culturais, com 14.362 visualizações com um pouco mais de 1 ano de sua implementação. Depreende-se que o Mapa das Culturas do IFNMG possibilita que os agentes culturais da região obtenham melhor posicionamento em sites (buscadores) de pesquisa e maior qualidade dos dados para pesquisas governamentais, científicas e comerciais. Em consequência disso, esperam-se maiores oportunidades para os trabalhadores da cultura regionais e maior desenvolvimento socioeconômico.

Palavras-chave: Empreendedorismo. Cultura. Plataforma Web. Norte de Minas Gerais.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, W. P. Construindo uma aplicação web completa com PHP e MySQL. São Paulo: Novatec, 2018.

BARKI, E.; AGUIAR, L. T. A three-pronged approach to social business: a Brazilian multi-case analysis. Revista de Administração da USP, v. 74, n. 3, p. 385-397, 2012.

BENTO, B.. D; COSTA, V. G.; PRETA, V. S. C. O setor e a sociedade: uma caracterização do APL de Gemas e Artefatos de Pedra de Teófilo Otoni. In: Anais do III Seminário de Gemologia e Design de Gemas e Joias, Santa Maria, 2013. pp. 66-84.

CARMO, R. A. M. L. Políticas culturais para as culturas populares em Januária MG: inter-relações com as práticas musicais na contemporaneidade. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, 2015.

COSTA FILHO, A. Os Gurutubanos: territorialização, produção e sociabilidade em um quilombo do centro norte-mineiro. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

DAVEL, E.; CORA, M. A. J. Empreendedorismo cultural: cultura como discurso, criação e consumo simbólico. Políticas Culturais Em Revista, v. 9, n. 1, p. 363-397, 2016.

DINIZ, A. M. A.; BATELLA, W. B. O Estado de Minas Gerais e suas regiões: um resgate histórico das principais propostas oficiais de regionalização. Sociedade & Natureza, v. 17, n. 33, p. 59-77, 2005.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

GUERRA, J. R. F.; PAIVA JÚNIOR, F. G. Empreendedorismo cultural na produção cinematográfica: a ação empreendedora de realizadores de filmes pernambucanos. RAI. Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 3, p. 78-99, 2011.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sistema de Informações e Indicadores Culturais 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

IPATRIMÔNIO. Patrimônio cultural brasileiro. Disponível em: . Acesso em 18 Set. 2020.

LINKE, V.; ISNARDIS, A. Arqueologia pré-histórica da região de Diamantina (Minas Gerais): perspectivas e síntese das pesquisas. Arquivos do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, v. 21, n. 1, 2012.

MEDAGLIA, J.; SILVEIRA, C. E. Conhecer para Respeitar: patrimônio e cidadania em Diamantina/MG. Revista ParticipAção, v. 23/24, p. 93-100, 2013.

MESQUITA, F. J.; PÁDUA, K. C. Educação pela cultura em Araçuaí: um processo de reinvenção da Roda. Revista Informação em Cultura, v. 1, n. 2, p. 54-68, 2019.

MEYER, G. A vida na cidade e a invenção da “cultura”: imagens de desenvolvimento a partir da “roça”. Etnográfica, v. 23, n. 2, p. 359-390, 2019.

NOCE, C. M. et al. Evolution of polycyclic basement complexes in the Araçuaí Orogen, based on U–Pb SHRIMP data: Implications for Brazil–Africa links in Paleoproterozoic time. Precambrian Research, v. 159, n. 1-2, p. 60-78, 2007.

OLIVEIRA, F. M. de. Arranjo produtivo de cachaça da região Salinas-MG: aprendizagem, tecnologia e viabilidade econômica. Tese (Doutorado em Agronomia) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, 2017.

OLIVEIRA, A. D de. Cantos, danças, rodas e resistência na comunidade Trovadores do Vale. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2019.

PERROTTA-BOSCH, F. et al. O trem da cachaça: Museu da Cachaça. Salinas, MG. Projeto: Revista Mensal de Arquitetura, n. 398, p. 76-81, 2013.

PNUD. PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Atlas de desenvolvimento humano e econômico. Brasília: PNUD/IPEA/FJP, 2013.

QUEIROZ, D. M. Mulheres do campo, reconhecimento e trabalho na construção de outras economias em Porteirinha-MG. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Ambiente e Território) – Universidade Federal de Minas Gerais, Montes Claros, MG, 2018.

SANTOS, J. C. P. dos. Cultura e arte popular: processos subjetivos dos carranqueiros de Pirapora-MG. Revista Pretextos, v. 1, n. 1, p. 142-156, 2016.

SANTOS, L. A. A. A feminilidade das lavadeiras do vale do Jequitinhonha. Revista Memento, v. 9, n. 2, p. 1-16, 2018.

SARMENTO, L. C. O devoto folião e a folia divina: música e devoção nas folias católicas em Montes Claros (MG) 2012-2015. Tese (Doutorado em Ciência da Religião) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, 2016.

SOUZA, G. H. S. et al. Inventário de barreiras e facilitadores ao empreendedorismo: construção e validação de um instrumento. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v. 22, n. 3, p. 381-412, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.